O Cine Excelsior foi inaugurado em 1958 e desperta diferentes discussões na pauta cultural de Juiz de Fora. Após anos de disputa judicial em prol da reabertura do espaço, fechado desde 1994, da luta pelo tombamento ou pela obtenção da Declaração de Interesse Cultural (documento que garantiria que o local seria destinado apenas a eventos culturais) e diante do desinteresse do poder público, o Cine Excelsior encontrava-se em situação precária e caía em gradativo esquecimento até meados de 2011.

Em novembro do ano passado, as poltronas do cinema e o letreiro com os dizeres “fechado para reforma” foram retirados do local. O objetivo dos novos proprietários, que compraram o espaço em 2010, era transformá-lo em um estacionamento rotativo de veículos. Até o momento, as obras estão embargadas pela Prefeitura da cidade por falta de laudos que comprovem a capacidade de o prédio abrigar atividades com esse fim, além de haver preocupação com a circulação de veículos na Avenida Rio Branco.

Desde então, o movimento para que o prédio seja tombado e se torne um patrimônio histórico da cidade se intensificou e tenta garantir que o lugar não deixe de existir. Franco Groia, professor de História do Cinema e líder do movimento “Salvem o Cine Excelsior”, explica como se dá a movimentação.

Groia revela que muitas foram as tentativas de impedir que o local fosse destruído: “o movimento existe para lutar por esse patrimônio cultural que é muito maior que o proprietário. A gente respeita a pessoa, mas temos que levar em consideração o valor cultural e histórico presente naquele espaço que pertence à história da cidade de Juiz de Fora”. Através das redes sociais (Facebook, Twitter, Site e Youtube), os integrantes do movimento mobilizam a população em prol da preservação e recuperação do espaço, lutando para ele não seja esquecido.

O processo de tombamento do prédio como patrimônio histórico da cidade não foi aprovado pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Cultural (COMPPAC), órgão responsável por avaliar a ação, mas um novo recurso já está sendo representado, agora por parte do condomínio onde se localiza o cinema, para reverter essa decisão. O recurso segue em segunda instância no Tribunal de Justiça de Minas Gerais, em Belo Horizonte.

“Recentemente, o cinema nacional aumentou a produção e, consequentemente, o número de espectadores. Há espaço (ou mercado) para novas salas, enquanto a ANCINE (Agência Nacional de Cinema) calculou o crescimento de 8% em um ano, projetando o dobro da quantidade atual para 2020. Há ainda um programa federal (o Cinema Perto de Você) destinado a recuperar cinemas antigos, requerendo (dentre outras exigências) a autossuficiência por meio de um plano de negócios, e que infelizmente só não contempla a compra do imóvel.” – Texto do site “Salvem o Cine Excelsior”

Saiba mais sobre a história do Cine Excelsior

O Cine Excelsior, inaugurado ao som do Hino Nacional em fevereiro de 1958, foi considerado, até a década de 90, uma das melhores salas de cinema do Brasil. Marco no período de modernização de Juiz de Fora e referência cultural da cidade, a única sala do prédio podia acomodar cerca de 1.250 pessoas.

O espaço foi idealizado por Procopinho, filho do ex-prefeito da cidade, José Procópio Ferreira, e era composto por um telão de projeção, sistema de som de 21 caixas, acústica impecável, iluminação a néon, um ar condicionado central e projetor cinematográfico. O projeto, feito por Armando Favatto, foi o sexto prédio com mais de cinco andares construído em Juiz de Fora. O maior cinema do interior de Minas Gerais refletia o período de modernização pelo qual passava a cidade. A decoração interna era em estilo Art Décor, uma tendência artística que ganhou força no Brasil dos anos 20. O Cine Excelsior abriu as portas para a sessão inaugural em 1958.

Os anos seguintes foram marcados pelo sucesso do cinema, que se tornou preferência entre a população em geral. As filas de espera para as sessões de filmes eram gigantescas e, em dias mais movimentados, elas se estendiam pela Avenida Rio Branco, passavam pela Rua Floriano Peixoto e alcançavam até a Avenida Getúlio Vargas.

Apesar de ser um dos mais modernos dos sete cinemas existentes na cidade, o Cine Excelsior teve o último filme apresentado em 30 de outubro de 1994. A concorrência inesperada com a TV e o surgimento do videocassete, nos anos 80, fizeram com que o Excelsior mergulhasse numa crise sem fim. O local ficou endividado e muitos funcionários foram demitidos. O resultado já perdura por mais de 18 anos e as portas do cinema ainda continuam fechadas. A reinauguração, marcada inicialmente para 23 de junho de 1995, ainda é aguardada por muitas pessoas que assistiram de perto a crise gradativa do local.

Casos e Causos

Terezinha Maria de Jesus, de 79 anos, antiga espectadora do Cine Excelsior, afirma que o cinema faz parte da história da cidade e da vida das pessoas que lá estiveram e puderam presenciar grandes momentos. “Vivi grandes aventuras no Excelsior e é uma pena que as próximas gerações não possam conhecer aquela beleza de lugar, que conta muito sobre como era ser juizforano naquela época”, diz a senhora.

Oscar Kappel, de 89 anos, conheceu o prédio antes deste se tornar cinema e diz que frequentava a sala com a esposa dele quando começaram a namorar. Ele conta que na época que o Cine funcionava, existiam outros cinemas na cidade, tais como o Central, o Cine Glória, o Cine Popular e o Rex, mas a preferência era pelo Cine Excelsior.

Como parte da própria história, Oscar fala sobre o surgimento do local. “Onde é o Cinema Excelsior hoje, antes funcionavam as instalações do Comissário Vargas, uma empresa de transporte rodoviário que usava caminhões de dez rodas. Na época, eles tiraram das ruas as árvores de jalão, que os moleques costumavam subir”.

Para a comerciante Renata Tavares, 41 anos, o Cine guarda histórias engraçadas. “O pessoal costuma falar que lá tinha até pulgas quando começaram a inaugurar outros cinemas na cidade, mas deve ser por causa da concorrência. Eu lembro que depois que parou de passar os melhores filmes lá, falaram que estava funcionando como cinema pornô”.

Mas o cineasta Franco Groia ainda acredita no Cine Excelsior:

(Fonte: matéria produzida por Por Gabriella Ribeiro, Izabela Fonseca, Maristela Rosa, Natália Ferreira e Priscilla Helena – para o Blog In_Formação em Processo)

Compartilhe esta postagem em suas redes sociais!!